LAST TIME

I'm not gonna get involved with anyone anymore, she said. She stared at her own reflection in the mirror, trying to believe those words. How many times had she promised herself that it was the last time? She started to laugh. There was always new people out there, new stories, new experiences. No matter how hard her heart could get or how thick her armor could be. Sooner or later, she knew, a smile would tell her what would be about to come. And before she could even notice, a kiss would bring a message especially to her rational self: it's worth the risk. Again.

ÚLTIMA VEZ

Não vou mais me envolver, ela disse. Olhava o reflexo no espelho, tentando acreditar naquelas palavras. Quantas vezes já havia prometido para si mesma que era a última vez? Começou a rir. Sempre surgiam novas pessoas, novas histórias. Não importava o quanto endurecesse seu coração ou o quão grossa fosse a armadura. Mais cedo ou mais tarde, ela sabia, aquele sorriso avisaria o que estava por vir. E quando menos percebesse, um beijo traria um recado especialmente para a razão: vale o risco. De novo.

ELA


Ela te via além da sua casca.
Ela te enxergava lentamente, enquanto todos sempre te viam rápido demais.
Ela te assistia dormir.
Ela te dava amor ao acordar.
Ela te fazia cafuné.
Ela te beijava a testa com ternura, mas também te arrancava o fôlego quando queria.
Ela te roubava beijos, até mesmo enquanto você dormia.
Ela cozinhava para você.
Ela gostava de te ter como assistente na cozinha.
Ela te fazia rir com bobagens e se iluminava quando era você quem a fazia dar risada.
Ela te fazia ver a vida com outros olhos.
Ela te fazia ver que o amor podia valer a pena.
Ela tinha a mania de rir de tudo e era no sorriso dela que você encontrava forças.
Ela não mascarava os próprios defeitos e aceitava os seus.
Ela não precisava de maquiagem para ser linda, mas te encantava com aquele batom.
Ela tinha o gosto musical parecido com o seu.
Ela gostava de vestir suas camisetas.
Ela gostava de cerveja e bebia com você.
Ela te fazia se sentir especial e amado de um jeito que ninguém tinha sido capaz.
Ela te entendia e te ajudava em qualquer coisa.
Ela era sua parceria e melhor amiga.
Ela se dava bem com a sua família, do tipo dançar com a sua mãe no meio da sala.
Ela era seu conforto nos dias difíceis.
Ela te fazia esquecer os problemas com um olhar.
Ela te acalmava num abraço.
Ela cuidava de você como sempre quis ser cuidada.
Ela se espremia para te dar mais espaço na cama ou embaixo do guarda-chuva.
Ela só dormia tranquila depois de saber que você já estava a salvo em casa.
Ela sussurrava ao teu ouvido.
Ela tinha o apetite sexual que todos os caras sonhavam em encontrar.
Ela apertava sua bunda de vez em quando só pra ver a sua cara.
Ela era o seu melhor sorriso numa manhã preguiçosa.
Ela te mostrava que seu mundo era melhor desde que ela resolveu entrar.
Ela se entregava de corpo e alma para você.
Ela era a mulher da sua vida.

Mas você a perdeu.

ELES

Eles tinham tudo o que duas pessoas precisam para ser feliz. Eles não só se gostavam, como também eram melhores amigos. Eles se divertiam com pouco. Eles davam risadas juntos. Eles achavam que estar ao lado do outro era o suficiente para levantar qualquer programação chata. Eles podiam ser eles mesmos o tempo todo. Eles tinham uma loucura compartilhada e achavam que só eles podiam se entender. Eles conversavam muito e sobre tudo. Eles admiravam um ao outro e sentiam orgulho das conquistas de cada um. Eles gostavam da família um do outro. Eles gostavam de sair com os amigos um do outro. Eles cozinhavam juntos. Eles assistiam filmes juntos. Eles bebiam cerveja juntos. Eles tomavam café da manhã vendo videoclipes e cantando. Eles trocavam músicas entre si e tinham uma playlist só deles.

INSÔNIA

Não conseguia dormir. O quarto era um silêncio sepulcral, mas o coração gritava. Gritava de saudade. Gritava pedindo para sair dali. A mente, em conjunto, trazia uma série de memórias, mostrando onde queria estar. Reivindicava por domingos de manhã, cama desarrumada e o corpo dele para se aninhar. Pedia pelo beijo, pelo cheiro, pelo olhar que não cansa, pelo abraço que protege. Pedia por ele.

MENINA-PERFEITA


Ela sempre soube que o modelo de menina-perfeita não tinha o seu número. Via as amigas em busca de serem lindas, descoladas, sempre tentando se encaixar no grupinho atual e negociando qual o próximo menino em que iam dar o bote. Enquanto isso, ela queria ser inteligente, queria melhorar seus desenhos e textos, jogar videogame e passar horas gravando fitas K7 com as seleções de músicas mais cuidadosamente selecionadas do mundo.

Ah, a música. Esse item, aliás, sempre teve uma participação especial na vida dela. Ela aprendeu a gostar de Bon Jovi e Alanis Morissette quando ainda era um cotoco, aos cincos anos de idade. Seguiu ouvindo The Cranberries, R.E.M e mais toda uma herança musical que vinha do pai, da mãe, dos tios, dos primos mais velhos. Tudo isso aprimorado com as coisas novas que o bom filtro do seu ouvido separava das rádios. Ela e o walkman eram inseparáveis e o banheiro presenciou os melhores covers da história!

 

Copyright © 2010 Rascunhos Pequenos | Blogger Templates by Splashy Templates | Free PSD Design by Amuki